Psicologia em reprodução humana

Atualizado: 17 de jul. de 2021

Quando uma pessoa decide ter filhos e se depara com a dificuldade e tentativas frustradas tanto a autoestima quanto a relação pode ser afetada. Sentimentos de incapacidade, impotência, incompletude são comuns. Busque ajuda especializada, o seu médico poderá encaminhar para a reprodução assistida.

Muitas pessoas chegam no consultório muito sensíveis, fragilizadas, cansadas após resultados negativos sucessivos, sentem vergonha, medo de não conseguir ter o seu filho, algumas até se isolam pela forte cobrança resultando em mais angústia.



Recorrer a reprodução assistida geralmente é um grande desafio, existe um tabu, preconceito, resistências, às vezes, falta de informação, o que dificulta o processo e adia-se o sonho da parentalidade.


Percorrer essa jornada não é simples, nem fácil, muitos mantêm em sigilo e sofrem sozinhos com o diagnóstico da infertilidade, por isso o acompanhamento psicológico é tão importante durante essa jornada, um psicólogo acolhe sem julgamentos e pode orientar e propor reflexões que torne o processo mais leve.


Pelo senso comum, acredita-se que quando não vem a gravidez é um fator feminino que está impedindo, o que não é verdade. Quando existe o diagnóstico, ele deve ser contextualizado como um problema do casal. Veja como realmente acontece:

  • 35% fator masculino (baixa produção ou qualidade dos espermatozoides);

  • 35% fator feminino (problemas hormonais, falhas na ovulação, alterações no útero, miomas etc.);

  • 30% fator misto

Até que se feche um diagnóstico, algumas pessoas se sentem culpadas e muitas vezes não expressam seus incômodos, dores, guardando para si seu sofrimento, para poupar o outro. Alguns casais se desentendem responsabilizando o outro . As vezes, a relação é impactada inclusive na sexualidade, o coito programado pode comprometer a fluidez do ato, prejudicando o desejo, orgasmo.


Nesse contexto o psicólogo pode ajudar propiciando um espaço de acolhimento aos tentantes , ouvindo suas histórias de vida, tirando dúvidas( psicoeducação), minimizando assim os efeitos psicológicos com ajuda de intervenções qualificadas. A equipe médica sempre informará quanto aos possíveis insucessos.


O positivo não é garantido. Muitas vezes é preciso algumas tentativas até se conseguir realizar o sonho de ter o seu bebê em casa. Logo, o acompanhamento psicológico tem se mostrado fundamental para o equilíbrio emocional do casal durante o processo de reprodução assistida e, principalmente, para o seu sucesso.


E então, gostou deste post? Assine a nossa newsletter e receba mais informações importantes!

Compartilhe:



35 visualizações0 comentário